terça-feira, 27 de outubro de 2009

POESIA CERO


Entreabertas loucuras e solidões
aterrisam neste breu
mescla-se violência e candura
nas crianças que ninguém vê que
vêm e morrem sorrindo.

Os peixes absorvem rápido o estremecimento
as mulheres dão folhas
e um ramo abrupto de relâmpagos
colhe com sutileza todo o
derramado...

E por baixo da terra vive
um fomento de luz
que morde
E colhe o supremo e o supérfluo
e as palavras que escorreram
do relâmpago, da mulher e
da morte das crianças...



Lúcia Bins Ely (Integrante da Escola de Poesia Grupo Cero)

2 comentários:

virgínia vicamf além mar disse...

Lúcia, teu Poema comove
abraços afetusos

Grupo Cero VersoB disse...

Querida Virgínia,
agradecemos a leitura e o carinho pela poesia,

um abraço,